Baladinha nada romântica II

– “eu te amo
acima de tudo,
tão raro
é meu amor!”

– “eu te amo
em cima de tudo,
embaixo,
onde for”

– “eu te amo
pra todo
o sempre”

– “e eu te amo
como nunca”

– “eu sou
só seu”

– “sou só
se sua”

– “mas
não lhe basta
meu amor
assim
tão elevado?”

– “é que,
babe…

o buraco
é mais
embaixo”

– “eu te amo
profundamente!”

– “eu te amo
pra caralho!”

– “eu morro
de amor
contigo!”

– “eu,
vivo,

claro!”

Uma resposta para “Baladinha nada romântica II”

  1. Gostei muito dessa sequência das baladas!!!

    É uma punhalada no mindinho do pé! Dá cutucadas no lugar comum do amor, tão comum que parece uma sepultura. Ainda bem que há vozes que fogem do sepulcro e fazem o amor brilhar feito uma panela que a gente dá brilho todos os dias!

    Ah, eu tinha visto a versão anterior e achei que terminava melhor com “-‘eu,/ vivo.”. Mas é uma impressão minha.

    Um abraçãozão,

    J.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *