Manifesto


Morreu ontem o escritor comunista, Pedro Lemebel, lutador ferrenho contra todas as opressões, em especial, a homofobia, ícone da contra-cultura chilena. Na foto, aparece com a foice e o martelo pintadas no rosto… foi assim que, num encontro clandestino de partidos de esquerda, durante a ditadura de Pinochet, de salto alto, leu o poema abaixo!

articles-83117_thumbnail
MANIFESTO
(FALO POR MINHA DIFERENÇA)

Pedro Lemebel (Chile, 1952-2014)

Não sou Pasolini pedindo explicações.
Não sou Ginsberg expulso de Cuba.
Não sou uma bicha disfarçada de poeta.
Não preciso de disfarces
aqui está minha cara
falo por minha diferença.
Defendo o que sou
e não sou tão esquisito.
Me repugna a injustiça
e suspeito dessa dança democrática.
Mas não me fale do proletariado
porque ser pobre e bicha é pior.
Há que ser ácido para suportar.
É ter que dar voltas nos machinhos da esquina
é um pai que te odeia
porque o filho desmunheca
é ter uma mãe de mãos marcadas pelo cloro
envelhecidas de limpeza
te ninando como doente
por maus modos
por má sorte
como a ditadura
pior que a ditadura
porque a ditadura passa
e vem a democracia
e logo depois o socialismo.
E então?
Que farão com nossos companheiros?
Irão nos amarrar às tranças em fardos
com destino a um sidário[2] cubano?
Irão nos enfiar em algum trem para parte alguma
como no barco do general Ibáñez [3]
onde aprendemos a nadar
mas ninguém chegou até à costa.
Por isso Valparaíso apagou suas luzes vermelhas.
Por isso as casas de caramba[4]
brindaram com uma lágrima negra
os carneiros comidos pelos caranguejos.
Este ano que a Comissão de Direitos Humanos
não lembra.
Por isso companheiro te pergunto
existe ainda o trem siberiano
da propaganda reacionária?
Esse trem que passa por suas pupilas
quando minha voz fala demasiado doce?
E você?
Que fará com essa lembrança de meninos
se tocando e outras coisas
nas férias de Cartagena?
O futuro será em preto e branco?
O tempo será noite e dia de trabalho
sem ambiguidades?
Não haverá uma bichona em alguma esquina
desequilibrando o futuro de seu novo homem?
Vão nos deixar bordar pássaros
nas bandeiras da pátria livre?
O fuzil eu deixo a você
que tem o sangue frio.
E não é medo.
O medo foi indo embora de mim
no bloquear de facadas
nos inferninhos sexuais onde andei.
E não se sinta agredido
se te falo dessas coisas
e te olho o volume.
Não sou hipócrita
acaso os peitos de uma mulher
não te fazem baixar a vista?
Você não acredita
que sozinhos na serra
algo se passaria entre nós?
Embora depois me odiasse
por corromper sua moral revolucionária.
Tem medo que se homessexualize a vida?
E não falo de te enfiar e tirar
e tirar e te enfiar somente
falo de ternura companheiro.
Você não sabe
como custa encontrar o amor
nestas condições.
Você não sabe
o que é carregar essa lepra.
As pessoas ficam à distância.
As pessoas compreendem e dizem:
é viado mas escreve bem
é viado mas é um bom amigo
super-boa-onda[5].
Eu não sou boa-onda.
Eu aceito o mundo
sem lhe pedir essa boa-onda.
Mas ainda assim riem.
Tenho cicatrizes de risos nas costas.
Você acredita que eu penso com o pau
E que à primeira parrillada[6] da CNI[7]
eu ia soltar tudo.
Não sabe que a hombridade
nunca a aprendi nos quartéis.
Minha hombridade me ensinou a noite
atrás de um poste.
Essa hombridade de que você se gaba
te enfiaram em um regimento
um milico assassino
desses que ainda estão no poder.
Minha hombridade não recebi do partido
porque me rechaçaram com risadinhas
muitas vezes.
Minha hombridade aprendi militando
na dureza desses anos
e riram da minha voz afeminada
gritando: vai cair, vai cair.
E embora você grite como homem
não conseguiu que caísse.
Minha hombridade foi amordaçada.
Não fui ao estádio
e me peguei nas porradas pelo Colo Colo[7].
O futebol é outra homossexualidade encoberta
como o boxe, a política e o vinho.
Minha hombridade foi morder as provocações
engolir a raiva para não matar todo mundo.
Minha hombridade é me aceitar diferente
ser covarde é muito mais duro.
Eu não dou a outra face
dou o cu companheiro
e esta é a minha vingança.
Minha hombridade espera paciente
que os machos fiquem velhos
porque a esta altura do campeonato
a esquerda entrelaça seu cu flácido
no parlamento.
Minha hombridade foi difícil
por isso não subo nesse trem
sem saber aonde vai.
Eu não vou mudar pelo marxismo
que me rechaçou tantas vezes.
Não preciso mudar
sou mais subversivo que vocês.
Não vou mudar somente
porque os pobres porque os ricos…
a outro cachorro com esse osso.
Tampouco porque o capitalismo é injusto
em Nova Iorque as bichas se beijam na rua
mas esta parte deixo para você
que tanto te interessa.
Que a revolução não se apodreça completamente.
A vocês entrego esta mensagem
e não é por mim
eu estou velho
e sua utopia é para as gerações futuras.
Há tantas crianças que vão nascer com a asinha quebrada
e eu quero que voem companheiro.
Que sua revolução
dê a eles um pedaço de céu vermelho
para que possam voar.
_________________

[1] Este texto foi lido como intervenção em um ato político da esquerda em setembro de 1986, em Santiago, Chile. Leia o poema original aqui: http://lemebel.blogspot.com.br/…/manifiesto-hablo-por-mi-di…

[2] Apesar de Sidario ser um nome próprio muito comum no Chile, o autor o usa como substantivo para denominar clínicas para tratamento de soropositivos. Cf.: livro de crônicas de Pedro Lemebel chamado “Loco afán: crónicas de sidariorio”, com textos que tratam, sobretudo, da marginalização de travestis e AIDS.

[3] Carlos Ibáñez del Campo reprimiu duramente os homossexuais sob seu governo… era comum soltar opositores de barco, com peso amarrado em seus pés, em alto mar

[4] Casas onde se cantam tonadillas. O termo alude à cantora tonadillera do século XVIII Maria Antónia Fernández, cujo apelido era Caramba.

[5] No original “buena-onda”, um trocadilho: alegre/ fresco.

[6] Prato típico chileno com diversos tipos de carne e frutos do mar, naturalmente no poema se trata de um trocadilho.

[7] CNI – Central Nacional de Informaciones de Chile – foi um organismo de inteligência do regime militar chileno. Criada em 1977, foi responsável por inúmeros casos de infiltração política, assassinatos, sequestros e tortura aos opositores do regime, além de estar relacionada ao roubo de banco e o tráfico de drogas e armas. Foi dissolvida em 1990, pouco antes do retorno da democracia. Muitos de seus agentes então foram realocados em outros cargos públicos, inclusive de segurança.

[8] Time de futebol chileno.

_________________________________________

(Tradução de Jeff Vasques, tendo por base tradução e notas de Nina Rizzi)

Auto-retrato

GRE  SÃO PAULO  10/05/2013        CIDADES  ASSEMBLÉIA GREVE  PROFESSORES  Confronto entre policiais e manifestantes durente aseembléia dos professores da rede estadual de ensino na avenida paulista.  FOTO: JF DIORIO/ ESTADÃO

(foto do confronto entre professores e polícia em manifestações em maio de 2013
na Av. Paulista, São Paulo)

AUTO-RETRATO
(Nicanor Parra, Chile, 1914- )

Considere, garotos,
esta língua roída pelo câncer:
sou professor em um colégio obscuro
perdi a voz dando aulas.
(Afinal – ou só pra começar –
faço quarenta horas semanais.)
Que lhes parece minha cara humilhada?,
verdade que inspira lástima, olhem pra mim!

E que dizem deste nariz podre
pela cal do giz degradante.

Em matéria de olhos, a três metros
não reconheço nem a minha própia mãe.
Que me acontece? Nada!
Os arruinei dando aulas:
a luz ruim, o sol,
a venenosa lua miserável.
E tudo para quê!
para ganhar um pão imperdoável
duro como a cara do burguês
e com sabor e com cheiro de sangue.

Para que nascemos como homens
se nos dão uma morte de animais!

Pelo excesso de trabalho, às vezes
vejo formas estranhas no ar,
ouço corridas loucas,
risadas, conversas criminais.
Observem estas mãos
e estes bochechas brancas de cadáver,
estes escassos cabelos que me sobram,
estas negras rugas infernais!
No entanto, eu fui assim como vocês,
jovem, cheio de belos ideais,
soava como o cobre se fundindo
e limando as caras do diamante:
aqui me têm hoje
detrás desta mesona desconfortável
embrutecido pela ladainha
das quinhentas horas semanais.

Tradução de Jeff Vasques | Mais poesias de Nicanor aqui: http://eupassarin.wordpress.com/tag/nicanor-parra/

“Não me peçam” de Pablo Neruda


O Denis me presenteou com 3 revistas “Nerudianas” direto do Chile, dedicadas a esmiuçar a vida e obra de Pablo Neruda. Numa delas, descobri este poema… que não é dos melhores, mas importante pois onde o poeta se posiciona claramente sobre questões (est)éticas. Depois segue o próprio Neruda declamando o poema.

NÃO ME PEÇAM

Pedem alguns que este assunto humano
com nomes, sobrenomes e lamentos
não os aborde nas folhas de meus livros,
não lhes dê a escritura de meus versos.

Dizem que aqui morreu a poesia,
dizem alguns que não devo fazê-lo:
a verdade é que sinto não agradar-lhes,
os saúdo e lhes tiro meu chapéu
e os deixo viajando no Parnaso
como ratos alegres no queijo.

Eu pertenço à outra categoria
e só um homem sou de carne e osso,
por isso se espancam a meu irmão
com o que tenho a mão o defendo
e cada uma de minhas linhas leva
um perigo de pólvora ou de ferro,
que cairá sobre os desumanos,
sobre os cruéis, sobre os soberbos.

Mas o castigo de minha paz furiosa,
não ameaça aos pobres nem aos bons.
Com minha lamparina busco aos que caem,
alivio suas feridas e as fecho.

E estes são os ofícios do poeta,
do aviador e do que trabalha na pedreira:
Devemos fazer algo nesta terra
porque neste planeta nos pariram
e temos que arrumar as coisas dos homens
porque não somos pássaros nem cachorros.

E bem, se quando ataco o que odeio
ou quando canto a todos os que amo
a poesia quer abandonar
as esperanças de meu manifesto,
eu sigo com as tábuas de minha lei
acumulando estrelas e armamentos.

No duro dever americano,
não me importa uma rosa mais ou menos.
Tenho um pacto de amor com a formosura,
tenho um pacto de sangue com meu povo.

“Não me peçam” declamado por Neruda


“Assim a poesia não se cantará em vão”


A querida amiga Ana Elisa, que compartilha o teto comigo, me trouxe do Chile um pequeno livrinho com o discurso proferido por Pablo Neruda ao receber o Prêmio Nobel de Literatura em 1971. Pablo era embaixador do Chile que vivia um período conturbado de ataques ao governo de esquerda de Allende. Abaixo, traduzo alguns trechos que me chamaram a atenção.

Trechos do discurso de Pablo Neruda ao receber o Nobel

(…)

“De tudo isso, amigos, surge um ensinamento que o poeta deve aprender dos demais homens. Não há solidão inexpugnável. Todos os caminhos levam ao mesmo ponto: à comunicação do que somos. E é preciso atravessar a solidão e a aspereza, a falta de comunicação e o silêncio para chegar ao recinto mágico em que podemos dançar torpemente ou cantar com melancolia; mas nessa dança ou nessa canção estão consumados os mais antigos ritos da consciência; da consciência de ser homem e de crer em um destino comum”

(…)

“O poeta não é um ‘pequeno deus’. Não, não é um ‘pequeno deus’. Não está marcado por um destino cabalístico superior ao de quem exerce outros ofícios. Sempre digo que o melhor poeta é o homem que nos entrega o pão de cada dia: o padeira mais próximo, que não se crê deus. Ele cumpre sua majestosa e humilde trabalho de amassar, meter no forno, dourar e entregar o pão de cada dia, com uma obrigação comunitária. E se o poeta chega a alcançar essa simples consciência, poderá também a simples consciência converter-se em parte de uma artesania colossal, de uma construção simples ou complicada, que é a construção da sociedade, a transformação das condições que rodeiam o homem, a entrega da mercadoria: pão, verdade, vinho, sonhos. Se o poeta se incorpora a essa nunca gasta luta por consignar cada um em mãos dos outros sua ração de compromisso, sua dedicação e ternura ao trabalho comum de cada dia e de todos os homens, o poeta tomará parte no suor, no pão, no vinho, no sonho da humanidade inteira. Só por esse caminho inalienável de ser homem comum chegaremos a restituir à poesia o amplo espaço que lhe vão retirando em cada época, que lhe vamos retirando em cada época nós mesmos.”

(…)

“Nos vemos indefectivelmente conduzidos à realidade e ao realismo, ou seja, a tomar consciência direta do que nos rodeia e dos caminhos da transformação, e logo compreendemos, quando parece tarde, que construímos uma limitação tão exagerada que matamos o vivo em vez de conduzir a vida a desenvolver-se e florescer. Nos impomos um realismo que posteriormente nos resulta mais pesado que o ladrilho das construções, sem que por isso tenhamos erigido o edifício que contemplávamos como parte integral de nosso dever. E em sentido contrário, se alcançamos a criar o fetiche do incompreensível (ou do compreensível para uns poucos), o fetiche do seleto e do secreto, se suprimimos a realidade e suas degenerações realistas, nos veremos logo rodeados de um terreno impossível, de um atoleiro de folhas, de barro, de nuvens, em que se fundem nossos pés e nos afoga uma incomunicação opressiva.”

(…)

“Estendo estes deveres do poeta, na verdade ou no erro, até suas últimas consequências, decidi que a atitude dentro da sociedade e ante a vida devia ser também humildemente partidária. O decidi vendo gloriosos fracassos, solitárias vitórias, derrotas deslumbrantes. Compreendi, metido no cenário das lutas da América, que minha missão humana não era outra senão agregar-me com sangue e alma, com paixão e esperança, porque só dessa torrente repleta podem nascer os caminhos necessários aos escritores e aos povos. E ainda que minha posição levantasse ou levante objeções amargas ou amáveis, o certo é que não há outro caminho para o escritor de nossos amplos e cruéis países, se queremos que floresça a obscuridade, se pretendemos que os milhões de homens que ainda não aprenderam a nos ler nem a ler, que todavia não sabem escrever nem escrever-nos, se estabeleçam no terreno da dignidade sem a qual não é possível ser homem integral.”

(…)

“Eu escolhi o difícil caminho de uma responsabilidade compartilhada e, antes de reiterar a adoração do indivíduo como sol central do sistema, preferi entregar com humildade meu serviço a um considerável exército que por períodos pode se equivocar, mas que caminha sem descanso e avança cada dia enfrentando tanto aos anacrônicos recalcitrantes como aos vaidosos impacientes. Porque creio que meus deveres de poeta não só me indicavam a fraternidade com a rosa e a simetria, com o exaltado amor e com a nostalgia infinita, senão também com as ásperas tarefas humanas que incorporei a minha poesia.”

11 de Setembro e Victor Jara


11 de setembro é a data do golpe auxiliado pelos EUA que derrubou Allende no Chile e assassinou milhares de lutadores. Victor Jara, um dos maiores músicos da Nueva Canción foi provavelmente assassinado nesse dia. Este post é uma singela homenagem a Victor e ao povo chileno que viveu outro 11 de setembro.

No dia 11 de setembro, sabendo do golpe que derrubava Allende, Jara correu para a universidade onde trabalhava para se juntar aos 600 estudantes que ocupavam o prédio. Dali, mesmo sem muito armamento, resistiriam aos militares. Os tanques cercaram a universidade. Um companheiro vendo Jara com seu violão lhe disse: “Chegou a hora de trocar o violão pelo fuzil!”. Victor Jara respondeu, de maneira simples, que não sabia atirar e continuaria a usar sua melhor arma… cantou sem parar, animando a resistência. Depois de uma luta desigual, foram obrigados a se render. A multidão foi levada para o estádio Chile. Victor foi rapidamente reconhecido por um oficial: “Você é aquele maldito cantor, não é?”. Separado dos demais, foi duramente espancado. Quando o soltaram ensanguentado, junto aos companheiros na arquibancada, Victor presenciou cenas terríveis… estudantes torturados, outros executados ao tentarem escapar… outros, ainda, suicidando-se, perdidos em desespero. Percebeu logo seu destino. Pediu pedaços de papel e lápis aos companheiros. Mal acabara de escrever este que seria seu último poema, militares o puxavam para conduzi-lo ao Estádio Nacional do Chile. Antes de sair, conseguiu clandestinamente passar o papel para um companheiro que, passando a outro e a outro e a outro, salvaram o manuscrito.

Poucos dias depois, a esposa de Victor identificou seu corpo num terreno baldio. Apresentava sinais nítidos de tortura e dezenas de furos de balas pelo corpo. Os militares, indignados com o poder (humano) de sua poesia e música, haviam brutalmente dilacerado suas mãos. Não percebiam assim que semeavam dez mil outras.

Último poema de Victor Jara

Somos cinco mil
nesta pequena parte da cidade.

Somos cinco mil.
Quantos seremos no total,
nas cidades e em todo o país?
Somente aqui, dez mil mãos que semeiam
e fazem andar as fábricas.

Quanta humanidade
com fome, frio, pânico, dor,
pressão moral, terror e loucura!

Seis de nós se perderam
no espaço das estrelas.

Um morto, um espancado como jamais imaginei
que se pudesse espancar um ser humano.

Os outros quatro quiseram livrar-se de todos os temores
um saltando no vazio,
outro batendo a cabeça contra o muro,
mas todos com o olhar fixo da morte.

Que espanto causa o rosto do fascismo!

Colocam em prática seus planos com precisão arteira,
sem que nada lhes importe.

O sangue, para eles, são medalhas.

A matança é ato de heroísmo.

É este o mundo que criaste, meu Deus?
Para isto os teus sete dias de assombro e trabalho?

Nestas quatro muralhas só existe um número
que não cresce,
que lentamente quererá mais morte.

Mas prontamente me golpeia a consciência
e vejo esta maré sem pulsar,
mas com o pulsar das máquinas
e os militares mostrando seu rosto de parteira,
cheio de doçura.

E o México, Cuba e o mundo?

Que gritem esta ignomínia!
Somos dez mil mãos a menos
que não produzem.

Quantos somos em toda a pátria?

O sangue do companheiro Presidente
golpeia mais forte que bombas e metralhas.

Assim golpeará nosso punho novamente.

Como me sai mal o canto
quando tenho que cantar o espanto!

Espanto como o que vivo
como o que morro, espanto.

De ver-me entre tantos e tantos
momentos do infinito
em que o silêncio e o grito
são as metas deste canto.

O que vejo nunca vi,
o que tenho sentido e o que sinto
fará brotar o momento…”

(Victor Jara, Estádio de Chile, Setembro 1973).

IDENTIFICADO O ASSASSINO DE VICTOR JARA

Edwin Dimter Bianchi não esperava nada daquilo,passados todos estes 30 anos de esquecimento. Pode ser, também, que sempre estivesse à espera deste dia. Como todas as manhãs Edwin seguiu a sua rotina em direcção ao seu local de trabalho, como chefe de um departamento de controle de superintendência da AFP em Santiago do Chile. Quando lá chegou deu os bons dias, tomou um café, falou com os colegas, e seguindo as hierarquias ocupou,com um certo desdém, a sua secretária.

Foi então que o som dos batuques se começou a ouvir. De princípio, o ruído era imperceptível, longínquo, como se viessem de um passado remoto, ainda que insistente e resistente. Mas a verdade é que o murmúrio ia crescendo. Tambores e mais tambores acompanham os cantos que se escutavam desde o passeio da avenida. O estrondo parou à porta do edifício do ministério do trabalho. Edwin começou então a suar rios de recordações. Ouvia gritos e choros. As vozes tornaram-se muito nítidas. Eles estavam ali.Edwin Dimter Bianchi ouviu claramente como gritavam o seu nome, alto e bom som, entre refrões e contratempos. Um autêntico clamor.

Quem trabalhava por perto começou a olhá-lo como nunca o havia feito. Os gritos e os cantos daquele numeroso grupo, armado de tambores e cartazes, alertava também os transeuntes e todos os funcionários do ministério. E todos eles ficaram a saber que alí estava «O Príncipe». Anos a fio gozando do maior anonimato como um incógnito e cinzento funcionário não impediram a sua identificação e localização. Haviam-no descoberto.

Edwin Dimter Bianchi, «o príncipe», é recordado por muitos pela sua crueldade quando, por ocasião do golpe de estado militar de 1973, esteve no Estádio do Chile durante aqueles dias. Foi Edwin Dimter Bianchi, «o princípe», que assassinou Victor Jara depois de o ter torturado ao longo de várias horas. Victor Jara recebeu então quarenta e quatro tiros. Desde então, os tribunais nada fizeram. Mas as gentes não esquecem. E Edwin Dimter sabe agora que a sua tranquilidade, tal como a sua impunidade, acabaram. Desmascararam-no.
As mãos de Victor Jara perseguem-no e lançam-no ao inferno. Que se foda.

Abel Ortiz

Tradução para português do texto de Abel Ortiz.
Ver o original em:
http://abelortiz.blogspot.com/

Guerra Civil Espanhola, Neruda, “Ay, Carmela!”


Esta foto, acima e abaixo, é de um antepassado assassinado durante a Guerra Civil Espanhola [não sei de que lado lutava, mas é muito provável que do lado dos franquistas 🙁 ]. Todos meus avós fogem da Espanha nesse período e vêm pro Brasil. Se instalaram no único “bairro espanhol” do Brasil, que fica em Sorocaba, na região do “Além Ponte”, bairro “Vila Hortência”. Todas as ruas desse bairro fazem referência à Espanha. Nasci na rua Sevilha e brincava nas vizinhas ruas Madrid e Catalunha. Na minha infância, era comum ouvir pelas ruas expressões e comentários em espanhol… os palavrões e repreensões, invariavelmente, saíam em espanhol! Teimosos, turrões, mãos-de-vaca, pobres, os espanhóis ali, como meus avós, começaram trabalhando na terra (eram conhecidos como “ceboleiros” pelas enormes plantações de cebola, cultura que trouxeram da Espanha), e aos poucos foram se metendo a fazer de tudo.

Bom, essa introdução toda é porque, de uns tempos pra cá, tenho buscado resgatar minhas raízes… nessa busca, achei um ótimo livro “Os Espanhóis”, de Sérgio Coelho de Oliveira, que conta a história do bairro em que cresci… fala das famílias, da cultura que trouxeram dalém mar… um livro muito bonito e forte, pra mim… descobri, inclusive, surpreso, que desse bairro surgiram núcleos de resistência anarco-sindicalistas que tiveram importante influência e foram inclusive perseguidos durante a ditadura!

Meu interesse tem passado, obviamente, pela poesia espanhola. Recentemente, ganhei de uma amiga querida algumas antologias sobre a poesia espanhola, basca, catalã… é nítido como a poesia recente da Espanha é fortemente marcada pela Guerra Civil. Ainda estou me aproximando dessa poesia e selecionando algo pra por aqui no Passarin. Por agora, vai uma poesia de Neruda sobre a Guerra Civil (vai um vídeo também em que o poeta chileno, antes de declamar seu poema, fala como a Guerra Civil foi um marco de virada na sua vida e poesia, donde surge o livro “Espanha no Coração”… a declamação é encantatória!). Neruda era diplomata e morava em Madrid, na famosa Casa das Flores de que trata o poema abaixo, quando explodem os bombardeios que também darão origem à “Guernica” de Picasso (a Casa das Flores pode ser visitada e possui uma arquitetura ímpar, veja aqui).

A Guerra Civil, apesar de toda a tragédia – que me fez estar aqui, agora – também foi um momento de forte organização dos trabalhadores e trabalhadoras de todo o mundo, com a participação ativa de brigadas e milícias internacionais. (Aqui um documentário interessante sobre a Guerra). No final do post, depois do poema de Neruda, vai uma das canções preferidas pelos milicianos, a “Ay, Carmela” onde se canta, de forma alegre, a resistência e o amor. Essa canção jocosa, insinua que é por Carmela que os milicianos resistem… se lutam com toda a energia é porque querem voltar para os braços de Carmela! 🙂 Essa música também é conhecida por “El Paso del Ebro” e “Viva la XV Brigada” e foi ganhando diferentes letras ao longo do tempo e em diferentes lugares. Abaixo, coloco a versão de Miguel Naharro, grande violonista espanhol, e outra, mais próxima do original (nesse vídeo, há imagens muito legais de cartazes da época chamando para a luta revolucionária).

PABLO NERUDA DECLAMANDO “EXPLICO ALGUMAS COISAS”

EXPLICO ALGUMAS COISAS – PABLO NERUDA

Perguntam-me: onde estão os lírios?
E a metafísica coberta de papoulas?
E a chuva que muitas vezes golpeava
suas palavras enchendo-as
de frestas e pássaros?

Vou lhes contar tudo o que me passa.

Eu vivia num bairro
de Madrid, com campanários,
com relógios, com árvores.
Dali se via
o rosto seco de Castela
como um oceano de couro.
Minha casa era chamada
a casa das flores, porque por todas as partes
brotavam gerânios: era uma bela casa
com cachorros e crianças.

Raul, lembra? **
Lembra, Rafael? **
Frederico, lembra? **
Debaixo da terra,
lembram da minha casa com balcões
onde a luz de junho afogava flores em suas bocas?
Irmão, irmão!

Tudo
era burburinho de vozes, o sal das mercadorias
aglomeração de pão palpitante,
mercados de meu bairro de Arguelles com sua estátua
como um tinteiro pálido entre as merluzas:
o azeite chegava em colheres,
uma profunda palpitação
de pés e mãos enchia as ruas,
metros, litros, essência
aguda da vida,
pescados amontoados,
contextura dos tetos com sol frio no qual
a flecha se fatiga,
delirante marfim fino das batatas,
tomates se espalhando até o mar.

E numa manhã tudo estava ardendo,
e numa manhã fogueiras
saiam da terra
devorando seres,
e desde então fogo,
pólvora desde então,
e desde então sangue.
Bandidos com aviões e mouros,
bandidos com anéis e duquesas,
bandidos com padres de preto abençoando-os
vinham pelos céus a matar crianças,
e pelas ruas o sangue de crianças
corria simplesmente, como sangue de crianças.

Chacais que os chacais rechaçariam,
pedras que o cardo seco morderia e cuspiria,
víboras que as próprias víboras odiariam!

Frente a vocês vi o sangue
de Espanha levantar-se
para afogá-los em uma só onda
de orgulho e de punhais!

Generais
traidores:
olhem minha casa morta,
olhem a Espanha dilacerada:
porém de cada casa morta sai metal ardendo,
em vez de flores,
porém de cada ferida da Espanha
desperta a Espanha,
porém de cada criança morta levanta-se um fuzil com olhos,
porém de cada crime nascem balas
que acharão um dia o vosso coração.

E me perguntam: por que os seus poemas
não falam dos sonhos, das folhas,
e dos grandes vulcões de seu país natal?

Venham ver o sangue pelas ruas,
venham ver
o sangue pelas ruas,
venham ver o sangue
pelas ruas!

** Neruda, provavelmente, está se referindo aos poetas Rafael Alberti,
Federico Garcia Lorca e Raúl Silva Castro. Lorca foi assassinado por nacionalistas durante a guerra. Segundo um juiz, ele era “mais perigoso com a caneta do que outros com o revólver”.

“AY, CARMELA!” versão Miguel Ángel Gómez Naharro

“AY, CARMELA” VERSÃO CLÁSSICA

El Ejécito del Ebro
Rumba la rumba la rumba la
Una noche el río pasó
Ay Carmela! Ay Carmela!
Pero nada pueden bombas
Rumba la rumba la rumba la
Donde sobra corazón
Ay Carmela! Ay Carmela!
Contraataques muy rabiosos
Rumba la rumba la rumba la
deberemos resisitr
Ay Carmela! Ay Carmela!
Pero igual que combatimos
Rumba la rumba la rumba la
Prometemos resistir
Ay Carmela! Ay Carmela!

Anti-poesia de Nicanor Parra


Nicanor Parra é um grande poeta chileno, considerado um dos maiores da América Latina… indicado várias vezes ao Nobel… ele é de uma família de artistas populares, dos Parra, violeta parra e tudo mais… apesar disso tudo, é ainda muito pouco conhecido no Brasil… é responsável por, lá nos idos de 50, dar uma paulada na espinha da grandiloquência da poesia latina… inventou a sua anti-poesia, com seus anti-poemas… trouxe a poesia pro chão, pra fala coloquial, pra brincadeira, pro campo do popular… em suas próprias palavras:

“Durante medio siglo
la poesía fue
el paraíso del tonto solemne.
Hasta que vine yo
y me instalé con mi montaña rusa.

Suban, si les parece.
Claro que yo no respondo si bajan
echando sangre por boca y narices.”

FICA COM TEU BORGES

ele te oferece a recordação de uma flor amarela
vista ao anoitecer
anos antes que você nascera
interessante puxa que interessante
em troca eu não te prometo nada
nem dinheiro nem sexo nem poesia
um iogurte é o que + poderia te oferecer

Obs.: Roque Dalton tem um poema de tom semelhante falando sobre o Borges que pode ser visto aqui. de nome “DE UM REVOLUCIONÁRIO A J. L. BORGES”

MOSCAS NA MERDA

Ao senhor – ao turista – ao revolucionário
gostaria de lhes fazer uma só pergunta:
alguma vez viram uma nuvem de moscas
esvoaçar ao redor de um monte de merda
pousar e trabalhar na merda?
Viram moscas alguma vez na merda?

porque eu nasci e me criei com as moscas
em uma casa rodeada de merda

REGRA DE TRÊS

Independentemente
Dos vinte milhões de desaparecidos
Quanto vocês crêem que custou
A campanha de endeusamento de Stalin
Em dinheiro constante e sonante:

Afinal, os monumentos custam dinheiro.

Quanto vocês crêem que custou
Demolir essas massas de concreto?

Apenas a remoção da múmia
Do mausoléu para a vala comum
Deve ter custado uma fortuna.

E quanto vocês crêem que gastaremos
Para repor as estátuas sagradas?

TESTE

O que é um antipoeta:
Um comerciante de urnas e ataúdes?
Um sacerdote que não crê em nada?
Um general que duvida de si mesmo?
Um vagabundo que ri de tudo
Até da velhice e da morte?
Um interlocutor de mau caráter?
Um bailarino a beira do abismo?
Um narciso que ama todo o mundo?
Um brincalhão sangrento
Deliberadamente miserável?

Um poeta que dorme em uma cadeira?
Um alquimista dos tempos modernos?
Um revolucionário de bolso?
Um pequeno burguês?
Um charlatão?
………………. um deus?
………………………… um inocente?
Um aldeão de Santiago do Chile?
Sublinhe a frase que considere correta.

O que é a antipoesia:
Um temporal em uma xícara de chá?
Uma mancha de neve em uma rocha?
Um açafate cheio de excrementos humanos
Como crê o padre Salvatierra²?
Um espelho que diz a verdade?
Um bofetão no rosto
Do Presidente da Sociedade de Escritores?
(Deus o tenha em seu santo reino)
Uma advertência aos poetas jovens?
Um ataúde a jato?
Um ataúde a força centrífuga?
Um ataúde a gás de parafina?
Uma capela ardente sem defunto?

Marque com uma cruz
A definição que considere correta.